fcb.portal.reset.password

Marcelinho, durante o duelo contra o Guipúzcoa / FOTO: VÍCTOR SALGADO - FCB

Marcelinho Huertas deu um passo importante para se converter em líder do Barça neste início de temporada. O armador brasileiro se encontra em grande forma, com atuações de destaque como a que ofereceu no último domingo, na vitória do FC Barcelona sobre o Guipúzcoa (81-74).

Liderança digna de um armador

A figura do armador num time de basquete é fundamental para o funcionamento de toda a equipe e, com suas estatísticas, Marcelinho está cumprindo o seu papel dentro dessa função. Nas primeiras quatro rodadas da Liga Endesa, possui uma média de 12,25 pontos e 4,5 assistências por partida. Com esses registros, o brasileiro é segundo melhor cestinha da equipe, atrás somente de Tomich (12,8 pontos por jogo). Entretanto, é o líder das assistências (4.5).

Neste mesmo domingo, ao lado de Navarro, liderou a equipe anotando um total de 21 pontos, seu recorde pessoal nesta temporada. Além disso, deu três assistências e recebeu seis faltas, uma mostra do perigo que gerou no ataque. 

Incluído no time da rodada

Marcelinho Huertas foi incluído no melhor time da rodada da Liga Endesa após a sua atuação contra o Guipúzcoa, principalmente pela sua liderança. Desse modo, se juntou a Guille Rubio (Estudiantes), Javier Beirán (Gran Canaria), Fran Vázquez (Unicaja) e Sergio Rodríguez (Real Madrid). É o primeiro jogador azul-grená que consegue estar entre o cinco melhores, eleitos a cada rodada por cinco meios de comunicação esportivos. 

Números inéditos

Marcelinho está proporcionando números que se forem mantidos, podem superar os registros conseguidos nas duas temporadas anteriores vestindo a camisa culé. Nessas primeiras quatro partidas, o armador foi o jogador mais utilizado pelo técnico Xavi Pascual, com 28 minutos por partida. Nas 34 rodadas da temporada 2012/13, sua média foi de 22 minutos por partida e no seu primeiro ano, 23. 

A sua média de pontos (12,3) também supera os 9,1 da temporada passada e os 10,3 conseguidos há dois anos. O mesmo ocorre com as assistências (4,5), enquanto os seus registros anteriores eram de 3,7 e 3,3, respectivamente.

 

Voltar ao início