fcb.portal.reset.password

Luis Enrique se mostrou satisfeito / MIGUEL RUIZ – FCB

Na coletiva após a vitória contra o Levante, Luis Enrique afirmou estar contente com o desempenho do time. "Estou muito satisfeito com o jogo e por ver que somos um grande elenco com recursos". O técnico também disse que esperava uma partida complicada. "Sabíamos que jogariam com linha de cinco na defensa e quatro meio-campistas, e que seria difícil atingi-los", explicou. "É importante marcar logo".

O comandante falou também sobre jogadores como Messi e Bartra, autores de gols no domingo. A respeito do argentino, opinou que ele "tem muito pouco de humano: erra um pênalti, mas daí marca dois gols e dá uma assistência". Para Luis Enrique, Bartra "esteve muito bem na circulação e, além disso, abriu o marcador. Não é sua função, mas tem qualidade para fazê-lo". O treinador ainda elogiou Sandro e Munir, que começaram como titulares: "me agradaram muito, terão minutos e serão necessários. São jovens, têm projeção e gol".  

Outras declarações:

"Fazemos a mudança de sistema pelas características do rival e pelos jogadores que consideramos mais idóneos para a partida".

"Conhecendo o Ter Stegen, não me preocupa que perca a confiança. Ele o demostrou, após o gol voltou a sair com personalidade. Carácter e personalidade não lhe faltam".

"O físico do Alves lhe permite jogar 90 minutos depois de se recuperar de uma lesão. É um privilégio que te dão pouquíssimos jogadores".

"Em 22 dias jogaremos 7 partidas, e os jogadores necessitam descanso e repartir minutos, é uma garantia de ter melhor nivel físico".

Bartomeu felicita a equipe

O presidente do FC Barcelona, Josep Maria Bartomeu, avaliou o jogo muito positivamente e felicitou a equipe pela vitória: "O Levante deu muito trabalho, foi um rival difícil", disse. "Os rodízios são necessários no futebol. Temos uma temporada muito longa e os jogadores necessitam descanso". Bartomeu também falou da campanha 'Tant se val d'on venim': "é importante que a Fundação se una ao movimento de ajuda aos refugiados. O FC Barcelona não podia faltar".

Voltar ao início