fcb.portal.reset.password
Os jogadores celebram o título em Tbilisi

O Barça conquistou a quinta Supercopa da Europa da sua história / MIGUEL RUIZ - FCB

Les joueurs après un but / MIGUEL RUIZ - FCB

Foi algo único, jamais visto. A final da Supercopa da Europa, disputada terça-feira, em Tbilisi (Geórgia) entrou para a história do futebol mundial. Oito gols no tempo regulamentar. Três deles, de falta, em apenas 15 minutos. O FC Barcelona chegou a abrir uma vantagem de 4 a 1, mas o Sevilla FC empatou de forma heróica e levou o jogo para a prorrogação.

Nesse momento, faltava ar para os torcedores que lotaram o Estádio Boris Paichadze e para todos que assistiram a partida ao redor do mundo. Mas a equipe de Luis Enrique mostrou que também sabe sofrer e Pedro, um velho herói das finais voltou a aparecer, marcando o gol do título no minuto 115 da partida, o mesmo minuto do gol que marcou no título da Supercopa do Barça de 2009.

Um início espetacular...

O Sevilla golpeou primeiro. Logo aos três minutos, falta da entrada da área e Banega cobrou com categoria para abrir o placar. Três minutos depois, foi a vez de Messi devolver na mesma moeda. Falta e cobrança perfeita no ângulo esquerdo do goleiro Beto. Pouco mais tarde, a qualidade do camisa 10 do Barça voltou a aparecer.

Nova falta para o Barça na frontal da área, dessa vez um pouco mais de longe. O torcedor local gritava o nome de Messi, que se sentia em casa. Ele não decepcionou. Mandou outra bola mágica no canto esquerdo de Beto e virou o placar. Ainda no primeiro tempo, Rafinha ampliou e a equipe de Luis Enrique foi para o intervalo com a cômoda vantagem de 3 a 1.

...um final ainda melhor

O Barça voltou superior para a etapa final. Uma confiança e uma atuação contundente que logo resultou no quarto gol culé, de autoria do uruguaio Luis Suárez, aproveitando uma assistência perfeita de Busquets. Depois disso, o inacreditável. O Sevilla reagiu, botou o Barça contra as cordas e empatou uma partida que muitos davam por decidida.

Primeiro, Reyes diminui para os sevilhanos. No minuto 75, Gameiro mostrou que o duelo ainda estava aberto ao marcar o terceiro do Sevilla, cobrando pênalti. E faltando seis minutos para o final do jogo, Konoplyanca empatou a partida em uma reação histórica e levou o duelo para a prorrogação.

O rei das finais

O Barça tem um jogador famoso no seu elenco por marcar gols importantes em decisões e nos momentos mais complicados. Na final de Tbilisi, ele voltou a aparecer. Pedro Rodríguez garantiu a vitória culé quando tudo indicava que o título seria decidido nos pênaltis. Ele aproveitou um rebote de Beto após um chute de Messi e voltou a colocar seu nome na história.

Messi foi eleito o melhor jogador da partida, mas Pedro voltou a ser o herói de uma final que deixa o Barça mais próximo do seu segundo ‘sextete’. Para quem não lembra, Pedro também foi o herói culé nas finais de 2009, quando o Barça conseguiu essa façanha pela primeira vez. Agora, que venha a Supercopa da Espanha.

[[BOTOVERMELL::As estatísticas da ++final da Supercopa::http://www.fcbarcelona.com.br/futebol/time-principal/match-archive/2015-2016/supercopa-da-europa/final/fc-barcelona_sevilla-fc/info::HOR::NF::NO-TRACKING::::::]]

Voltar ao início