fcb.portal.reset.password

O Brasil, de Dani Alves, luta por vaga na final do Mundial / FOTO: FIFA.COM

Começa nesta terça-feira a fase semifinal da Copa do Mundo do Brasil. Serão dois confrontos espetaculares, que reeditam finais de outros mundiais: hoje às 17 horas no Mineirão, em Belo Horizonte, entram em campo Brasil e Alemanha, que decidiram a Copa de 2002, dividida entre Coreia do Sul e Japão; amanhã, na Arena Corinthians, em São Paulo, será a vez de Argentina e Holanda, finalistas da edição de 1978 do torneio, realizada no país de Lionel Messi. Os vencedores se encontram na final do próximo domingo no Maracanã, no Rio de Janeiro.

Os donos da casa, que voltam à semifinal após 12 anos, terão dois desfalques fundamentais. O mais importante e lamentando pela torcida é o de Neymar Jr, que fraturou a terceira vértebra lombar no jogo de quartas de final contra a Colômbia e está fora da Copa; o outro, também bastante sentido – embora contornável, em caso de que os brasileiros passem à final – é o do zagueiro e capitão Thiago Silva, suspenso por receber dois cartões amarelos.

O caminho à final

A equipe verde-amarela chegou às semifinais após conquistar o primeiro lugar do grupo A, com 7 pontos, depois eliminando o Chile nas oitavas nas cobranças de pênaltis – após empate em 1 a 1 – e a Colômbia nas quartas por 2 a 1. Até receber do colombiano Zúñiga o golpe que causou a fratura, Neymar Jr vinha sendo o destaque tupiniquim e um dos nomes do torneio, com quatro gols, uma assistência crucial e dois prêmios de melhor em campo. Portanto, Dani Alves será o único representante do Barça no mítico estádio de belorizontino.

Por sua vez, a seleção alemã até agora fez valer a sua tradição em jogos decisivos e chega à sua quarta semifinal de Copa consecutiva. O forte time de Joachim Löw, um dos mais notórios favoritos ao título, também liderou sua chave, a G, com os mesmos 7 pontos, e depois  superou, respectivamente em oitavas e quartas, Argélia por 2 a 1 na prorrogação e sua eterna rival França por 1 a 0. Com quatro gols anotados, Thomas Müller vem sendo seu principal nome.

Nas 21 vezes em que as duas seleções se enfrentaram, predomina a brasileira, com 12 vitórias, contra apenas 4 dos alemães. Em cinco ocasiões, ocorreu empate.

Voltar ao início