fcb.portal.reset.password

Luis Enrique e Del Piero, capitães na eliminatória entre Barça e Juve da temporada 2002-03 / MIGUEL RUIZ

Uma das grandes lendas da Juventus, com quem venceu a Champions 1995/96 – entre muitos outros títulos -, Alessandro del Piero concedeu entrevista ao www.fcbarcelona.cat. Na conversa, o ex-jogador analisa a final de sábado em Berlim entre azul-grenás e 'bianconeri', destacando a evolução das duas equipes durante toda a temporada, o grande trabalho de Luis Enrique e os craques culés Messi e Xavi.

-Você estará em Berlim? Que tipo de final espera?

Sim, estarei em Berlim. E espero ..., uma final! Assim que qualquer coisa pode acontecer. Estes jogos desafiam os prognósticos. Pode ocorrer que ganhe o favorito e que os papéis se invertam. Comigo já aconteceu de perder sendo o favorito e ganhar como não favorito, e vice-versa. Isto é o futebol, estas são as partidas que contam!

-A Juventus não chega a uma final de Liga dos Campeões há 12 anos. Naquela edição, eliminou o Barça nas quartas de final. O que aquela Juventus tem em comum com a atual?

São duas equipes muito diferentes, com histórias muito diferentes. Mas há uma coisa em comum: os dois times adquiriram conhecimentos em suas próprias capacidade e personalidade ao longo da competição. Jogo após jogo, o nível aumentou, graças às vitórias contra grandes rivais encontrados pelo caminho (a semifinal contra o Real Madrid neste caso e as quartas contra o Barça no anterior).

-Xavi e Pirlo são dois jogadores frequentemente comparados entre si. Você os conhece bem, porque jogou ao lado de um, e contra o outro. O que destacaria de cada um?

Estamos falando do Olimpo do futebol, em seu nível maior de inteligência. Cada qual no seu papel, acho que são jogadores únicos na história, fenômenos reais. Foi muito bonito poder jogar com eles ou contra eles.

-Onde você acha que a Juventus pode ser mais perigosa?

Nas faltas cobradas por Pirlo, na definição no ataque com Tévez e Morata, na solidez defensiva e na capacidade de manter a posse de bola para defender o resultado, no caso de que consiga sair à frente no placar.

-Como você acha que as duas equipes evoluíram durante esta temporada?

-No inicio da temporada, a Juventus não era favorita, nem o Barça, que todo mundo considerava um time extraordinário, mas levemente abaixo de outras equipes grandes. O fato de que tenham chegado à final, e com grande crédito, mostra que esta meta foi construída dia a dia, vitória após vitória.

-Quais foram as principais marcas deixadas pelos técnicos Allegri e Luis Enrique em seus times?

Allegri foi capaz de ter uma equipe ganhadora e melhorá-la sem sobressaltos, de forma gradual, mediante a inserção de seus princípios sem perder a confiança em seu time. Hoje a Juve tem um jogo sereno e organizado, joga um bom futebol, de alto nível técnico. Luis Enrique também fez um trabalho extraordinário. A equipe encontrou brilho e grande unidade, garantindo aos três grandes jogadores de ataque a liberdade de se expressarem, mas sempre se colocando à disposição do grupo.

-Como definiria a figura de Leo Messi?

-Messi é o número dez: o talento, o instinto, a paixão, a magia. Messi é um patrimônio do futebol, e temos a sorte de que viva em nosso tempo, para que possamos desfrutar.

-Se atreveria a dar um palpite?

-Absolutamente não ... já disse no início: uma final é uma final.

Voltar ao início