Neymar i Cesc, en el primer gol. FOTO: MIGUEL RUIZ-FCB.

O FC Barcelona escolheu a ocasião perfeita para mostrar que segue sendo o Barça de sempre. Dominou a maior parte do clássico, controlou a posse de bola e transformou a vida do Real Madrid num pesadelo. Antes da partida, um lindo mosaico com uma mensagem de apoio ao ex-técnico culé, Tito Vilanova, que teve que deixar o cargo no último mês de julho para seguir o tratamento de uma doença diagnosticada há aproximadamente dois anos.

Mas com todo respeito ao mosaico, esse clássico será lembrado pela estreia histórica de Neymar Jr. e pelo espetacular gol de Alexis Sánchez. O chileno praticamente definiu a partida no minuto 76, com um belo chute por cobertura que enlouqueceu o Camp Nou. A equipe de Tata Martino realizou uma primeira parte sensacional e só sentiu algo de pressão durante alguns momentos do segundo tempo. Um genial Valdés, o oportunismo de Neymar e a obra de arte de Alexis mantiveram o Barça líder isolado da Liga Espanhola e invicto na atual temporada. 

Surpresas táticas

O Barça preferiu um esquema diferente. Formou um 'quadrado' no meio de campo com Busquets, Xavi, Iniesta e Cesc Fàbregas. Messi e Neymar Jr, atuavam abertos pelas pontas, mas com a liberdade de movimento para o centro do ataque culé. O Real Madrid de Ancelotti também surpreendeu ao escalar Carvajal na lateral direita e, principalmente, Ramos na meia. O ataque formado por Bale, CR7 e Di María era algo mais fácil de acertar. O inesperado nesse contexto foi ver o galês na posição de 'falso 9'. 

Neymar abre o placar

O Barça iniciou a partida bastante concentrado e precavido. Como afirmou Tata Martino na véspera do clássico, o objetivo principal do Barça seria ter o controle da posse de bola e evitar perdas de bola na zona de criação. Os meias Busquets e Sergio Ramos ficaram em apuros logo no começo ao receber o cartão amarelo. Nenhuma das duas equipes se sentiam cômodas nos primeiro minutos e todos pareciam ter medo de cometer erros. Então, no minuto 18, Iniesta arrancou pela esquerda e encontrou Neymar Jr dentro da área. O brasileiro dominou, cortou para dentro e mandou a bola para o fundo das redes de Diego López.

O Camp Nou, que acabava de soltar o grito pela independência da Catalunha, entrou em êxtase ao ver o gol de Neymar coincidir com esse momento reivindicativo, que habitualmente ocorre no minuto 17 de cada jogo. O gol fez o Barça entrar em ebulição. Na sequência, Messi recebeu em profundidade e ficou na cara do gol, mas seu disparo não entrou por pouco. O craque argentino e Neymar Jr. fizeram da vida do zagueiros merengues um inferno e isso que já estavam completamente aturdidos nos minutos posteriores ao gol do Barça. O estilo culé, com as variantes escolhidas para a ocasião, superava a vontade do Real Madrid. 

Iniciativa culé, insuperável Valdés

Aos poucos a partida voltou ao equilíbrio inicial por pura decisão do FC Barcelona e do seu cérebro, o meia Xavi Hernández. Ao Barça não lhe interessava um jogo de idas e vindas, ou seja, nada de caos. Apesar de mandar completamente na primeira parte, no minuto 43 o Madrid teve uma ocasião clara. Cristiano Ronaldo fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Khedira chutar cara a cara com Valdés, que voltou a fazer uma sensacional defesa, como as várias que leva nessa temporada. Um susto tremendo para fechar uma primeira parte completamente dominada pelos donos da casa. 

O momento de resistir

Neymar voltaria a dar oxigênio ao Barça no início do segundo tempo. Carvajal já não sabia o que fazer diante da habilidade do brasileiro e, no minuto 54, após um bela assistência de Iniesta, ele mandou uma bomba que o goleiro Diego López parou com certa dificuldade. Na sequência, Valdés faria o segundo milagre da noite ao defender um chute direto de CR7. Nesse momento, o jogo estava aberto. A tensão e o número de cartões amarelos aumentavam. E também o cansaço começava a aparecer no lado culé a posse de bola voltava a estar equilibrada. 

A obra de arte de Alexis

Consciente da falta de ar da equipe, Martino decidiu colocar Alexis no lugar de Cesc para recuperar o tradicional 4-3-3. Num dos piores momentos do Barça na partida, Cristiano Ronaldo pediu pênalti ao alegar ter sido empurrado dentro da área por Mascherano e Benzema mandou uma bomba de fora da área, mas a trave impediu o gol do francês. Após essa sequência de sustos, o Barça voltaria a controlar a ansiedade madrilenha através do toque de bola. 

Foi quando apareceu Alexis Sánchez. No minuto 76, o chileno recebeu na meia, avançou, driblou o zagueiro Varane e, da entrada da área, soltou um magistral toque por cobertura sobre Diego López e aumentou o placar. Um pouco mais tarde, o lateral Daniel Alves estave a ponto de marcar o terceiro após dar uma 'caneta' humilhante em Cristiano Ronaldo, mas acabou neutralizado pelo goleiro merengue. E num contra-ataque já nos acréscimos, Jesé diminuiu a diferença para o Real Madrid. Mas o Barça soube segurar o ímpeto merengue no final da partida, assegurou a vitória diante da sua torcida e aumentou a vantagem sobre o eterno rival para seis pontos.