fcb.portal.reset.password
Messi obre els braços i els jugadors del City es lamenten

Messi celebra el seu gol / FOTO: MIGUEL RUIZ-FCB

O FC Barcelona garantiu a festa da sua torcida ao assegurar a vaga entre os oito melhores clubes do futebol europeu pelo sétimo ano consecutivo. A equipe de Tata Martino conseguiu a façanha com uma nova vitória, desta vez por 2 a 1, sobre o Manchester City, diante de 85.957 torcedores presentes no Camp Nou. A história do Etihad Stadium voltou a se repetir e o Barça venceu novamente com gols de Messi e Daniel Alves. Mas desta vez, a equipe inglesa conseguiu marcar um golzinho, através de Kompany.

Equilíbrio inicial

Os minutos iniciais desmascararam todos as intenções do Manchester City. A ordem era atacar sem pausa para tentar conseguir a virada histórica no Camp Nou. A equipe defensiva do Etihad Stadium já não existia e as ofensivas ao campo do Barça eram constantes. Principalmente pelas pontas, com Milner pela esquerda e Silva, na direita.

Por outro lado, o Barça buscava aproveitavar os espaços deixados pela ousadia rival levando perigo através de Neymar Jr e Messi. O atacante brasileiro inclusive chegou a marcar no minuto 17, mas o árbitro assinalou um impedimento de Jordi Alba no lance anterior.

Dureza dos ingleses

O equilíbrio na etapa inicial era evidente, algo confirmado pela posse de bola de ambas as equipes (FCB 55% - City 45%). Os times se alternavam no ataque, mas nenhum conseguia levar um perigo real ao oponente. A única diferença neste contexto era a maneira como o as equipes se comportavam no aspecto defensivo.

O Barça dava liberdade e deixava o City jogar. Já os ingleses paravam as ofensivas dos velozes Messi, Iniesta e Neymar com duras faltas. Prova disso, é que os ‘citizens’ tinham levado três cartões amarelos antes do minuto 30. No segundo tempo, Zabaleta seria expulso por receber o segundo amarelo. Mas apesar de toda a especulação, a primeira parte acabou mesmo sem gols. 

Emoção à flor da pele

O segundo tempo foi pura emoção do início ao fim. No minuto 60, Messi quase abriu o placar após um bela jogada pela direita e um chute envenenado, mas a trave salvou os ingleses. Após isso, o City arriscou tudo. O auxiliar-técnico Rubén Cousillas já tinha colocado Dzeko no lugar de um desaparecido Agüero. O atacante Bósnio quase marcou duas vezes com menos de cinco minutos em campo.

O City se aferrou a garra e se lançou ao ataque. Cousillas renovou o oxigênio ofensivo botando Negredo no lugar de Silva e Jesús Navas no lugar de Nasri. A partir daí, que fizessem o que pudessem.

Messi, alegria do povo

Todo o esforço inglês foi por água abaixo quando Messi entrou em ação no minuto 66. O craque argentino se aproveitou de uma falha da zaga rival, recuperou a bola na área e abriu o placar com toque sutil na saída de Hart. Foi o 8º gol do argentino na atual edição da Champions League. Todos pensavam que o trabalho estava feito, mas o City não jogou a toalha.

A equipe inglesa seguiu pressionando e a sua valentia foi recompensada com o empate marcado por Kompany, no minuto 88. Desta vez, tudo indicava que o empate seria o resultado final. Outro engano. No minuto 90, Iniesta fez boa jogada na direita, driblou o goleiro e rolou para Daniel Alves soltar a bomba, garantir a vitória e o colocar o Barça um ano mais entre os oito melhores do futebol europeu.

Voltar ao início