fcb.portal.reset.password

La plantilla celebra el primer títol de la temporada / FOTO: MIGUEL RUIZ-FCB

O FC Barcelona é o grande campeão da Supercopa da Espanha 2013. O 0 a 0 vivido nesta quarta-feira no Camp Nou fez valer o empate conseguido no Vicente Calderón há uma semana (1-1) e permitiu ao técnico Tata Martino e ao jogador Neymar Jr. conquistar o primeiro título como culés. Entretanto, a conquista veio com muito trabalho. Tudo por culpa do Atlético de Madrid, um adversário duríssimo e talvez o melhor time que pratica o 'outro' futebol, aquele que é o oposto ao estilo generoso com o espetáculo que sempre oferece o Barça.

A guerra se extendeu ao terreno das faltas e das reclamações e o jogo terminou sem gols graças a duas excelentes defesas de Valdés e a um pênalti desperdiçado por Messi quando o Atlético jogava com um a menos por culpa da expulsão do lateral Filipe Luis. Desta forma, o título acabou nas mãos do Barça.

Domínio do jogo 

O Barça empurrava o rival para a defesa no início da partida. Dono d bola, triangulou de forma cômoda até a entrada da área rival. Ali, se encontravam os oponentes posicionados com a mesma estratégia utilizada há uma semana: boa postura defensiva, faltas para cortar o ritmo culé e saídas no contra-ataque sempre que era possível. Nos primeiros 30 minutos, a melhor oportunidade tinha sido um chute impreciso de Messi após ma assistência de Busquets. A equipe liderada por Diego Simeone quase não tinha cruzado para o campo de ataque. 

O gigante Valdés

O jogo esquentou com o passar dos minutos. Os visitantes cometiam uma falta atrás de outra sem que o árbitro tomasse conta da situação. Somente Koke viu o cartão amarelo do lado do Atlético, enquanto qu o Barça, com a metade das faltas (6-12), já tinham dois jogadores amonestados (Cesc e Busquets). Todas essas batalhas alteraram o ânimo dos jogadores do Barça e do Camp Nou, que gritava como nunca. 

O time culé, com o domínio do jogo mas sem ser contundente, ainda viu como o Atlético quase abre o placar com um chute de Arda Turan de dentro da área. Um sublime Victor Valdés apareceu com mão de ferro para evitar um gol dado como certo. No intervalo, o título da Supercopa seguia em aberto.   

A final teve um segundo tempo elétrico. Sem um claro dominador, a partida passou de ser jogada exclusivamente no zona central do campo para ser um toma lá dá cá sem trégua. O Atlético voltou a ter uma chance de ouro com Villa que Valdés se encarregou uma vez mais de evitar o perigo.  

Vermelho a Filipe Luis

Após o susto, aos pocuos o Barça foi recuperando o controle do encontro. Martino colocou Pedro e Iniesta em campo e a jogo voltou a fluir. O Atlético, necessitando de ao menos um gol para seguir com opções ao título, perdeu a compostura nos minutos finais. O lateral Filipe Luis levou o cartão vermelho direto por uma agressão a Alves. Arda Thuran também foi expulso quando já estava no banco de reservas. 

Entre uma coisa e outra, Godín pisou no lateral Daniel Alves sem sofrer nenhuma punição e Pedro provocou um pênalti que Messi chutou no travessão. Apesar do erro, o Barça conquistou o título merecidamente. Um prêmio ao time que segue com o enterno compromisso com o espetáculo. 

Voltar ao início