fcb.portal.reset.password

Edmílson no gramado do Camp Nou, em uma das suas visitas recentes a Barcelona.

Jogador do FC Barcelona de 2004 a 2008, José Edmílson Gomes de Moraes (37 anos) fez parte de uma geração de ouro da história recente do clube azul-grená. O polivalente jogador brasileiro - atuava como zagueiro ou volante - conquistou com a camisa culé uma Liga dos Campeões da Europa 2005/06, duas Ligas Espanholas (2004/05 e 2005/06) e um Supercopa da Espanha (2008).

Edmílson fez parte da equipe liderada pelo técnico holandês Frank Rijkaard, que contava com outros brasileiros como Belleti, Sylvinho, Motta, Deco e Ronaldinho Gaúcho, todos em grande fase. Tricampeão francês pelo Lyon, Edmílson sabe também o que é ser campeão do mundo com a Seleção Brasileira, um experiência inesquecível vivida no Mundial da Coreia e Japão, em 2002. 

E foi pra falar sobre Copa do Mundo, Barça, Messi, Neymar, entre outros temas, que ele atendeu o site www.fcbarcelona.pt em exclusiva para essa conversa. Acompanhe!

Pergunta - O que você espera da Seleção Brasileira nesta Copa do Mundo?

Edmílson – Espero muita coisa. Após o regresso do Felipão, acho que a seleção brasileira recuperou a sua credibilidade e confiança. Com a conquista da Copa das Confederações no ano passado, a equipe também conseguiu criar um grupo forte, consistente, que chega para a Copa do Mundo com muita força e que terá a vantagem de jogar diante da sua torcida. Por tudo isso a expectativa é grande e espero que o Brasil possa ter um grande desempenho e que consiga esse título.

Você é um dos poucos privilegiados que já venceu uma Copa. Na tua opinião, qual é a coisa mais importante para ganhar uma competição como essa?

Edmílson - É fundamental que os 23 jogadores estejam concentrados e que exista harmonia no grupo. Não pode existir vaidade, isso é o que faz uma equipe fracassar. Sem ela e sem divisões no grupo a vitória é mais fácil. Tem seleções com diversos grandes nomes que não conseguem chegar longe e outras que com poucos craques conseguem um grande desempenho. Na minha opinião, é necessário concentração e harmonia.

O que significou para você ganhar esse título? Mudou a sua carreira e a sua vida pessoal de alguma maneira?

Edmílson - Sem dúvida. Vestir a camisa da seleção em uma Copa do Mundo é algo muito bom para qualquer jogador, principalmente para nós brasileiros que levamos isso muito a sério. Eu tive a sorte de ser campeão e inclusive marquei um gol. Foi algo muito importante. Muda a sua vida, você ganha um reconhecimento espetacular. Principalmente depois que você se aposenta. As crianças se aproximam e os pais comentam: “Filho, ele foi campeão do mundo”. Sem dúvida, é algo muito gratificante.

Quando você escuta falar numa Copa do Mundo qual é a primeira coisa que vem na tua cabeça?

Edmílson – Vem um pouco de tudo, só que agora as coisas são mais relacionadas com o lado torcedor. Estou pensando em torcer, em convidar os amigos, enfeitar a casa, algo bem típico dos brasileiros. Às vezes penso também na preparação dos atuais jogadores para a Copa, lembrando de como foi a minha. Mas a verdade é que agora, fora de campo, só penso em torcer.

FC BARCELONA

Do que você mais sente saudades da sua etapa no FC Barcelona?

Edmílson – Sem dúvida, de jogar bola com o Camp Nou lotado. É um verdadeiro templo do futebol. Também sinto falta da preparação antes dos jogos da Liga dos Campeões da Europa, dos clássicos contra o Real Madrid e de todas as partidas importantes. Também acho muito legal a apresentação que eles fazem do elenco ao melhor estilo NBA durante o troféu Joan Gamper, no início da temporada. E principalmente dos títulos que ganhamos.

Você viveu a realidade do FC Barcelona de dentro. Na sua opinião, por que o Barça é 'Mais que um Clube'?

Edmílson – Porque o FC Barcelona possui ‘sentimentos’ que nenhum outro clube tem. Entre outras coisas porque representa uma nação (Catalunha) e passou toda a sua história sem colocar um patrocínio na sua camisa, algo que só mudou recentemente. Jogar no Barça é uma sensação única. O poder midiático do clube também é algo impressionante. Você é reconhecido em qualquer lugar do mundo. Além disso, a entidade se preocupa em ajudar os outros através de diversas ações sociais. Na minha opinião, é muito mais que um clube.

Você ainda segue em contato com o FC Barcelona através da Fundação Edmílson. Como é seguir 'jogando' junto com o Barça com o objetivo de ajudar os necessitados?

Edmílson – É fantástico. Como eu disse, até nisso o Barça é mais que um clube. Eles abraçam esses tipos de ações e os projetos da minha Fundação sempre tiveram o apoio do clube. O Barça é um clube muito solidário, não só pelos projetos que desenvolve e pelas parcerias que faz, mas também com todos os seu ex-jogadores, que sempre podem contar com o clube.

Como analisa as mudanças profundas que o FC Barcelona está vivendo na atualidade?

Edmílson – As mudanças são coisas naturais. A idade chega e o nível já não é o mesmo. Costumo dizer que os jogadores e técnicos passam, mas o clube fica. Mas acho que as mudanças sempre são positivas desde que exista um bom planejamento. Foi assim na época do Rijkaard e do Guardiola. Acredito que é necessário gente jovem, com vontade de vencer. Mas também é fundamental a presença de jogadores experientes. Essa combinação é importante para conseguir grande objetivos.

Você coincidiu com Messi no início da carreira dele. Te surpreendeu a explosão dele como atleta e as quatro ‘Bolas de Ouro’ que conquistou?

Edmílson – Ninguém nunca duvidou do talento dele e não é nenhuma surpresa todo esse sucesso. A única preocupação que tínhamos na época era sobre as lesões que lhe perseguiam. Messi sempre foi um jogador explosivo, mas naquela época dava a impressão que músculo dele não estava preparado para tanta potência. Mas ele trabalhou muito, com a ajuda do Dr. Juanjo Brau e as coisas saíram bem. Ele é um jogador fora do normal, que conseguiu estar muitos anos no mais alto nível e isso é muito difícil. Acho injusto algumas críticas que ele recebeu neste ano. Afinal, não somos máquinas e o rendimento às vezes não é o mesmo.

Acredita que Neymar pode chegar a ser um grande ídolo do FC Barcelona?

Edmílson – Acredito que ele tem tudo para isso. É jovem, tem talento, vontade de vencer e de ser reconhecido. A sua primeira temporada talvez não tenha sido a melhor por alguns fatores externos que não lhe deixaram trabalhar tranquilo, mas ele tem toda a capacidade do mundo para ser um grande ídolo do clube e se Deus quiser, vai conseguir.

Ainda segue a atualidade do FC Barcelona?

Edmílson – Sigo a maioria dos jogos. O Barça sempre joga bonito e isso atrai qualquer um. Esse clube vai estar para sempre no meu coração.

Voltar ao início