El gol d'Alexis a Balaídos. FOTO: MIGUEL RUIZ-FCB.

Um total de 31 pontos em 33 disputados. O Barça segue demolidor na Liga Espanhola e desta vez superou um valente Celta, no estádio Balaídos, em Vigo. Mesmo sem contar com jogadores como Piqué, Neymar, Xavi e Iniesta na equipe titular, a partida teve um ritmo vertiginoso num 1º tempo que Alexis voltou a mostrar que está em estado de graça. Na segunda parte, um Cesc Fàbregas letal decidiria a partida com duas jogadas de craque. Final: Celta 0-3 FCB. Um duro castigo ao futebol alegre do time galego comandado por Luis Enrique e com velhos conhecidos como Fontàs, Nolito e Rafinha. 

Alexis, em estado de graça

Após a vitória no clássico, Tata Martino já tinha afirmado que faria rotações no time titular. A mais significativa em Balaídos foi a presença de Song como meia, jogando um pouco à frente de Busquets. Por outro lado, o Celta tinha a defesa adiantada e com vontade de surpreender. Era uma ideia ambiciosa. Mas o Barça golpeou logo na primeira oportunidade que teve, no minuto 8. Pedro deixou Cesc na cara do gol. O disparo foi desviado pelo goleiro Yoel, mas o rebote caiu nos pés de Alexis que voltou a marcar com a camisa culé. 

Um Barça vertical

O próprio Alexis teve a oportunidade de ampliar, mas o goleiro do Celta impediu. No minuto 27, a partida estava aberta. O ataque vinha dos dois lados. Messi esteve a ponto de marcar após uma grande jogada individual. Pouco depois, foi a vez de Rafinha assustar o Barça com dois disparos perigosos, um deles salvado milagrosamente pelo goleiro Valdés, em grande fase. No minuto 30, substituição inesperada na equipe culé. Adriano Correia teve que sair por culpa de algumas dores na coxa esquerda e Montoya entrou no lugar dele. 

Messi, bastante ativo na partida, buscava o gol com insistência. As duas equipes praticavan um jogo bastante vertical, ofensivo. Desse modo, o Barça não mantinha o controle da partida, algo que não deixava evidente a sua superioridade técnica. 

O incansável Cesc

Mesmo não tendo a sua noite mais brilhante, o líder mostrava novamente muito esforço e, principalmente, eficácia. No segundo tempo, antes que o Celta pudesse crescer no duelo, o Barça aplicou duas bofetadas que definiram a sorte da partida. Ambas, com Cesc Fàbregas. Primeiro, com uma bomba no ângulo que bateu na trave, no goleiro e entrou. Logo na sequência, ele finalizaria com estilo uma rápida jogada protagonizada por Messi. 

Máxima competitividade

Em seis minutos, do 48 ao 54, o conjunto azul-grená tinha decidido um jogo que estava completamente aberto na etapa inicial. Mesmo assim, os galegos não recuaram e seguiram com a sua estratégia ofensiva. Nolito mandou uma falta na trave e Pedro respondeu com um chute que passou perto. A entrada de Iniesta, no dia que faziam 11 anos da sua estreia pelo Barça, deu um toque de tranquilidade ao jogo.

Tudo estava resolvido. Apesar disso, Messi se negava a sair de Balaídos sem marcar. Só que o goleiro Yoel não estava disposto a sofrer um gol do craque argentino e impediu de todas as maneiras. Messi tentou até nos acréscimos, uma mostra do seu espírito competitivo e de uma equipe que segue líder de forma implacável.